Estágio docente: um comparativo entre experiências no ensino presencial e no ensino emergencial remoto

Autores

Palavras-chave:

Estágio docente., Pós-graduação., Ensino Emergencial Remoto., Covid-19.

Resumo

O presente trabalho busca entender – através de um questionário realizado com 10 estudantes de pós-graduação – quais foram as percepções e experiências que tiveram durante a realização do estágio docente nas modalidades presencial (antes da pandemia da Covid-19) e na emergencial remota (durante a pandemia da Covid-19). Entre os resultados encontrados, observou-se que é unânime a importância dada pelos respondentes ao estágio docente. Os desafios encontrados demonstram que não é uma experiência com total benefícios, de forma que dificuldades são encontradas, mas é relatado que o aprendizado é necessário para se tornar professor universitário. No estudo, foi possível constatar que as atividades realizadas pelos estagiários, em diversos casos, ainda são escassas. Compreender como os alunos de pós-graduação estão sendo formados é fundamental para entender e pensar quais caminhos e políticas educacionais devem ser formuladas para o alcance dos objetivos esperados.

Biografia do Autor

Lorenço Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrando em Administração pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGA/EA/UFRGS). Graduando em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Gestão de Políticas Públicas pelo Instituto Prominas. Especialista em Direito Social do Trabalho, Processo do Trabalho e Direito da Seguridade Social pela Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP). Especialista em Direito Administrativo e Gestão Pública pela Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP). Graduado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Italo Rodeghiero Neto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Engenharia de Produção na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/2020). Graduado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel/2017). Técnico em Química pelo Instituto Federal Sul-riograndense (IFSul/2013).

Gabriela de Bem Fonseca , Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Luterana do Brasil (2007), e Especialização em Gestão Contábil com Ênfase em Tributos pela Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre (2010).

Downloads

Publicado

2022-07-01

Edição

Seção

Artigos