O artista como o meio

uma ponte entre Albert Camus e Marshall McLuhan

Autores

Palavras-chave:

Albert Camus, Marshall McLuhan, Comunicação, Filosofia da Comunicação, Ecologia das Mídias

Resumo

Em tom ensaístico, proponho a elaborar uma reflexão teórica acerca de como Albert Camus (2020) e Marshall McLuhan (1993) percebem o papel do artista em suas concepções filosóficas. Nas leituras, percebo que Camus considera os artistas literatos como artífices do pensamento absurdo, ou seja, eles vão além do que a filosofia de seu tempo propunha, oportunizando pensar a existência sem excluir o caráter finito. Enquanto McLuhan defende que os artistas sempre estiveram à frente do restante da humanidade na compreensão tecnológica; logo, compreendem como as mídias interagem com as pessoas e como a forma influencia no conteúdo e suas reverberações. Compreendo que o diálogo entre os autores possibilita conjecturar que o papel do artista está adiante da compreensão do indivíduo comum. Os artistas epitomam meios para discutir a própria sociedade em qualquer viés de caráter humano, oferecendo uma ótica mais apurada sobre a própria vida.

Biografia do Autor

Arthur Freire Simões Pires, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestre em Comunicação Social (PPGCOM/PUCRS) na linha "Política e Práticas Profissionais na Comunicação" e jornalista formado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Downloads

Publicado

2022-07-01

Edição

Seção

Artigos