Casas de acolhimento no Brasil e a população LGBTI+

reflexões, contextos e vulnerabilidades

Autores

Palavras-chave:

Cidadania, Casas de acolhimento, População LGBTI, Competência em Informação, Vulnerabilidade em Informação

Resumo

O presente artigo busca uma abordagem acerca das casas de acolhimento no Brasil, com atuação direcionada ao atendimento à população LGBTI+ em contexto de risco e vulnerabilidade Tratando-se de um estudo bibliográfico com abordagem qualitativa, a pesquisa é exploratória pois objetiva, para além da contextualização, o entendimento dos principais desafios e potencialidades na implementação de iniciativas brasileiras que atendem o público em questão, bem como, visa fomentar diálogos sobre a população LGBTI+. Os dados da pesquisa revelam que as casas de acolhimento para o público LGBTI+ em território brasileiro funcionam de forma independente, com raros casos, de iniciativas do Estado. Nota-se a imprescindível efetivação de políticas públicas a serem implementadas, que atendam as demandas da população LGBTI+ em situação de rua, com objetivos basilares que visualizem o enfrentamento da vulnerabilidade social expressas no preconceito, discriminação, violência e exclusão que a população mencionada sofre e, somente por meio das ações efetivas das políticas públicas poderão ser superadas. Sugere-se que a vulnerabilidade em informação é um dos riscos invisíveis e pouco conhecidos, o desenvolvimento da competência em informação é um caminho possível para ser empreendido nestas iniciativas dos grupos LGBTI+.

Biografia do Autor

André Luiz Avelino da Silva, PGCIN-UFSC

Esp. André Luiz Avelino da Silva. Mestrando em Ciência da Informação no PGCIN/UFSC, especialista em Docência no Ensino Superior – UNIASSELVI (2020), bacharel em biblioteconomia pela Universidade Federal do Amazonas – UFAM (2018). Faz parte do grupo de pesquisa GPCIn - Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Competência em Informação, da UFSC. Membro do grupo de pesquisa Alaye - laboratório de pesquisa em informação antirracista e sujeitos informacionais, da Universidade Federal de Goiás – UFG. Áreas de interesse: competência em informação, população LGBTI+, políticas públicas, gênero e sexualidade, população trans. CV: http://lattes.cnpq.br/3897397131631111. E-mail: andre_luiz93@live.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0521-9517.

Elizete Vieira Vitorino, UFSC

Dra. Elizete Vieira Vitorino, Bolsista Produtividade CNPq, Nível 2. Pós-doutora em Ciência da Informação, Universidade do Porto, Portugal. Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Competência em Informação (GPCIn). Líder do Grupo de Pesquisa GPCIn (cadastrado no CNPq e certificado pela UFSC). Professora do Departamento de Ciência da Informação (CIN) - Biblioteconomia e Arquivologia. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PGCIN). Centro de Ciências da Educação (CED), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – Brasil. CV: http://lattes.cnpq.br/7540571280471559. E-mail: elizete.vitorino@ufsc.br, elizetevitorino@yahoo.com.br Site do GPCIN: gpcin.paginas.ufsc.br ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2462-6553.

Luciana Pimentel da Silva Pissango

Esp. Luciana Pimentel da Silva Pissango. Especialista em Direito da Criança, do Adolescente e do Idoso (2021); Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2015). Possui experiência na área de Serviço Social na Política Pública de Assistência Social em Acolhimento Familiar e Acolhimento Institucional de Criança e Adolescente sob medidas de proteção e estágio na Política de Saúde em contexto hospitalar de Média e Alta Complexidade. Atua como Assistente Social da Gestão do SUAS, Gestão do Trabalho e Vigilância Socioassistencial da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Brusque/SC e em Casa de Assistência Dilony. Perita Social credenciada pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina e pela Justiça Federal. CV: http://lattes.cnpq.br/5975726350821149 E-mail: lucianapissango@gmail.com

Downloads

Publicado

2022-07-01

Edição

Seção

Artigos