Memória e curadoria digital no Instagram.

O contraste entre feed e Stories

Autores

Palavras-chave:

Postagens autodestrutíveis, Curadoria digital, Memória, Instagram

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar práticas de memória e curadoria digital no Instagram por meio da comparação entre os conteúdos temáticos publicados no feed, espaço de exibição fixa de postagens dessa plataforma, e os publicados no Stories, espaço do no qual as publicações se autodestroem após 24 horas. O estudo analisa 665 postagens realizadas por 10 usuários em um período de 15 dias, por meio de métodos qualitativos e quantitativos, com auxílio do software Atlas.ti. Os resultados indicam que o feed tem hospedado, principalmente, fotos autorais que retratam indivíduos, sozinhos ou acompanhados, mas, no Stories, tem circulado uma maior diversidade de temas, entre os quais se destacam os memes, as notícias e as fotografias de comidas e bebidas. Desse modo, é possível concluir que as práticas de curadoria digital no Instagram têm considerado o feed como um local virtual de arquivo de conteúdos pessoais, enquanto o Stories tem sido tratado pelos usuários como uma ferramenta para circular opiniões, assuntos e atualizações que rapidamente se transformam e que podem ser descartados. Assim, esta pesquisa pode trazer acréscimos aos estudos sobre redes sociais virtuais, bem como maiores entendimentos sobre memória e internet.

Biografia do Autor

Elis Nazar Nunes Siqueira, IEL / UNICAMP

Sou Mestra e doutoranda em Linguística Aplicada pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/UNICAMP). Tenho graduação em Letras (licenciatura) (IEL/UNICAMP) e também, atualmente, sou aluna de graduação no Bacharelado em Ciências Sociais (IFCH/UNICAMP) na mesma universidade. Tenho interesse, sobretudo, em redes sociais digitais e, mais especificamente, em estudos sobre o Instagram. Procuro analisar questões relacionadas a multi/hipermodalidade, folksonomias e hashtags. Ao longo do meu mestrado, estudei esses temas em diálogo com teorias da Antropologia do Turismo, para compreender a publicação e a circulação da hashtag #favelatour no Instagram. Agora, em minha pesquisa de doutorado, dedico-me a investigar as campanhas eleitorais de 2018, também no Instagram. Durante a minha primeira graduação, desenvolvi pesquisas relacionadas à remidiação e livros digitais e realizei intercâmbio universitário na Universidade de Évora, em Portugal, onde estudei Literatura Inglesa, Literatura Portuguesa e Literatura e Artes Visuais. Além disso, atuo, desde 2012, como professora de Redação para Ensino Médio e cursos pré-vestibulares. Atuo, principalmente, com aulas particulares, tanto de preparação para vestibulares quanto de acompanhamento e reforço escolar.

Downloads

Publicado

2021-01-01

Edição

Seção

Artigos